Como fortalecer a inteligência emocional do seu filho


Inteligência emocional

Quando as emoções estão à flor da pele, as pessoas dizem coisas e apresentam atitudes que normalmente não teriam. Quando se é criança, é isso que se faz o tempo todo.

A autorregulação emocional corresponde à capacidade de gerenciar a própria experiência e expressão das emoções. Trata-se de um grande componente da inteligência emocional que pode ser trabalhado na prática com crianças buscando melhor a habilidade de autorregulação emocional. Aos quatro anos, a maioria das crianças começa a usar estratégias para eliminar estímulos externos perturbadores. Perceba que as crianças cobrem os olhos quando estão com medo e tapam os ouvidos quando ouvem um barulho alto. Tais estratégias podem ser divididas em duas categorias simplistas: aquelas que tentam resolver o problema e aquelas que tentam tolerar a emoção.

Quando a criança tem condições de fazer uma mudança para resolver um problema, ela se compromete para solucioná-lo, identifica e faz um plano para lidar com tal dificuldade. Já quando consideram o problema sem solução, elas se envolvem no enfrentamento focado na emoção, trabalhando para tolerar e controlar o sofrimento.

Todas essas estratégias fazem parte da inteligência emocional que engloba consciência, compreensão e a capacidade de expressar e gerenciar as próprias emoções.

Embora muitos pais se concentrem apenas no desempenho acadêmico na infância, a autorregulação emocional não pode ser ignorada.

O autocontrole faz parte da inteligência emocional. Crianças que são capazes de inibir impulsos (muitas vezes impulsionadas por emoções) e evitar distrações são capazes de se envolverem em comportamentos mais pró-sociais e atingir seus objetivos.

Estudos sugerem que crianças em idade escolar com maior capacidade de autocontrole apresentam maiores tendências a serem mais saudáveis, melhores relacionamentos sociais, maior sucesso profissional.

Sentimentos servem a um propósito


A primeira parte da inteligência emocional é a consciência e a compreensão das emoções. Temos que entender e aceitar antes de podermos controlar e expressar nossas emoções. As emoções não são um inconveniente, mas sim uma parte da evolução humana que serve a um propósito. A teoria discreta das emoções sugere que cada uma de nossas emoções primárias evoluiu para servir a propósitos distintos e motivar nosso comportamento.

A tristeza é uma emoção capaz de nos deixar mais lentos, tanto no pensamento quanto na atividade motora. Isso pode nos dar a oportunidade de refletir sobre a origem de nosso transtorno emocional e examinar mais de perto seus antecedentes.

Em contraste, a raiva nos acelera, mobilizando intensa energia e enviando sangue às nossas extremidades. Embora evolutivo, isso nos preparou para uma luta; nos tempos modernos, permite a energia sustentada para uma luta de outra natureza. A raiva nos indica que nossos direitos foram violados e nos ajuda a nos mobilizar para nos proteger contra ameaças futuras.

Nossas emoções devem ser respeitadas e refletidas. Isso inclui as emoções intensas de nossos filhos em situações aparentemente não intensas, uma criança que sente muita raiva quando não é capaz de fazer algo que já havia feito, como afivelar a cadeirinha do carro por conta própria.

Aqui fazemos uma importante observação, aconselhamos os pais a não usarem a tecnologia como forma de acalmar ou pacificar as emoções negativas de seus filhos.


O uso da mídia como estratégia para acalmar pode levar a problemas com a definição de limites ou a incapacidade das crianças de desenvolver sua própria regulação emocional.

Basicamente, as crianças precisam da experiência de sentir essas emoções e praticar a tolerância para desenvolver o autocontrole e a inteligência emocional.

Trabalhando a inteligência emocional do seu filho


Como a inteligência emocional parece ser um importante fator de sucesso, os pesquisadores observaram como os cuidadores podem encorajar esse desenvolvimento através dos pais, que respondem de quatro maneiras possíveis às emoções dos filhos:

1) Pais que veem as emoções dos filhos como algo sem importância e tentam eliminá-las rapidamente, muitas vezes por meio do uso de distração.

2) Pais que veem as emoções negativas como algo a ser esmagado, geralmente por meio de punição.

3) Pais que aceitam todas as emoções da criança, mas falham em ajudar a criança a resolver problemas ou colocar limites em comportamentos adequados.

4) Pais que valorizam as emoções negativas, não são impacientes com a expressão de uma criança e usam experiências emocionais uma oportunidade de criar laços, oferecendo orientação por meio da identificação de emoções e da solução de problemas em questão.

Filhos de pais que trabalham com conjunto as emoções são fisicamente mais saudáveis, possuem melhor desempenho na escola e se dão melhor com os amigos.

Praticando as cinco etapas do coaching emocional


Passo 1: Esteja ciente das emoções de seu filho.

Os pais que treinam emoções estão cientes de seus próprios sentimentos e são sensíveis às emoções presentes em seus filhos. Eles não exigem que seus filhos ampliem sua expressão emocional para que os sentimentos sejam reconhecidos.


Passo 2: Veja as emoções como uma oportunidade para conexão e ensino.

As emoções das crianças não são um inconveniente ou um desafio. Eles são uma oportunidade de se conectar com seu filho e orientá-lo sobre um sentimento desafiador.

Passo 3: Ouça e valide os sentimentos.

Dê ao seu filho toda a atenção enquanto ouve sua expressão emocional. Reflita sobre o que você ouve, dizendo a seu filho que você entende o que ele está vendo e experimentando.

Etapa 4: Rotule suas emoções.

Depois de ouvir completamente, ajude seu filho a desenvolver a consciência e o vocabulário para expressar suas emoções.

Etapa 5: Ajude seu filho a resolver problemas com limites.

Todas as emoções são aceitáveis, mas todos os comportamentos não. Ajude seu filho a lidar com suas emoções, desenvolvendo habilidades de resolução de problemas. Limite a expressão a comportamentos apropriados. Isso envolve ajudar seu filho a definir metas e gerar soluções para alcançá-las.

Às vezes, as etapas do coaching emocional acontecem rapidamente. Outras vezes, essas etapas podem levar muito tempo. Paciência é a chave para o sucesso.



Tags: #inteligenciaemocional, #pais, #filhos, #autorregulacaoemocional, #emocoes, #autorregulação, #viladasletras, #educacaoinfantil.

87 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo